sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Lugar nenhum

Cheguei hoje à Ilha do Governador.
1º - Há quase ninguém em casa,
2º - São duas da manhã,
3º - Não penso que moro aqui.

daí já sei que sou mesmo um caipira, quero voltar pra boa Seropédica. Que aliás é um lugar miserável.
É constrangedor ser um estudante sustentado pelos pais, viver bem, enquanto a maioria da população dali vive com pouca ou nenhuma estrutura. Frustrante saber que eu provavelmente trabalharei longe, e pouca coisa vou fazer pra mudar essa situação.
O pior é que não existe realmente solução pra quem mora em barracos em Seropédica. Ou em qualquer lugar no mundo. Nada de capitalismo, socialismo, qualquer ismo. É sobrevivência. Só que de terno e gravata, batendo ponto, e comendo de talher. No fim, não somos tão diferentes de nossos parentes de 200.000 anos. No fim, sou apenas mais um.

"Eu não tô nem aí! Eu não tô nem aqui! Não sou, não sou! Brasileiro é o caralho!"
- Arnaldo Antunes

Nenhum comentário:

Postar um comentário